Minha 1ª experiência de Regressão a vidas passadas

 

Resolvi finalmente fazer uma experiência de regressão em começo de 2001... uma amiga minha me indicou uma pessoa que "fazia regressões". A técnica dela era fazer um exercício de relaxamento clássico, e a partir daí ela me fazia imaginar que eu estava passando pelas portas e escadas de uma casa...

Num certo momento, ela me pediu para descer determinada escada que eu estava vendo, e eis que me vi na minha 1ª vida da regressão.

Ela ia me perguntando sobre o que eu estava vendo, e eu ia falando... consciente e ao mesmo tempo vendo e vivendo aquilo (o tempo todo de olhos fechados)...

Na minha 1ª vida, vejo-me em algo como um grande templo greco-romano...

Sinto que sou bem mais baixo do que sou hoje... sou um tipo de sacerdote, o responsável por aquele lugar, um conjunto de templos no meio de uma vegetação (não há uma cidade perto). "Sinto" que meu mundo é só aquele lugar, nunca saio dali... tenho uma vida solitária, mas não me sinto só... sou auto-suficiente, de uma forma quase arrogante... exatamente o oposto do que sinto hoje... pois hoje para mim a coisa mais importante é não estar só...

Não vejo muita coisa interessante naquela vida, e assim sou levado a novamente descer as escadas e assim à minha segunda experiência...

Sou um tipo de agricultor ou de comerciante, em algum tipo de civilização  indígena avançada. Tenho uma certa sensação de estar no centro ou no oeste da América do Sul. É uma sociedade tipo a maia ou a asteca - avançada o bastante para ter cidades e carroças com rodas.

Sou homem, bem baixo e "fortinho", e sou jovem e vivo solitário - embora aparentemente eu não me sinta sozinho.

Sou alguém bastante normal e sem importância naquela sociedade - sou livre, mas tanto faz se estou vivo ou se vou morrer no dia seguinte - não farei falta. Uma existência completamente insossa...

Minha "terapeuta" me fala para de novo me aproximar de novo da escada, e da minha 3ª vida, e então um medo intenso me invade! Mas este medo dura só alguns instantes, e desço a escada, e ao abrir os olhos, nada vejo... e pergunto em voz alta para ela: "Eu posso ter sido cego??"

Sim, nessa vida eu era cego! Era uma pessoa bem pequena e franzina... tenho a sensação de ser jovem (uns 15-16 anos), e não dá para saber ao certo se sou homem ou mulher. Sinto que vivo sempre no mesmo lugar - um lugar de dois cômodos só para mim: um cômodo maior (quarto?) e um menor que talvez fosse um banheiro. Creio que jamais saio de lá... O ano e o lugar são indeterminados.

Alguém - minha mãe ou uma espécie de "ama" ou governanta - é quem cuida de mim. Sou totalmente dependente dela. Na hora associei esta total dependência dela com meu medo extremo de perder minha mãe nesta vida atual.

Uma parte que lembro bem é eu segurando e sentindo meu próprio pé - e dando enorme importância a aquela sensação tátil, como se realmente o tato fosse a coisa mais importante para mim, como se o tato fosse a minha forma fundamental de conseguir "sentir" o mundo.

E então minha "terapeuta" me leva a novamente descer as escadas, e me vejo então na minha 4ª vida...

Estou numa linda ilha, tipo as da Polinésia... uma ilha não muito grande, com vegetação exuberante, e uma linda lagoa azul central... Tenho mais ou menos 5 anos de idade, e brinco feliz com outras crianças.

A "terapeuta" então me diz: "pense em você agora com 15 anos" - e eu respondo com toda certeza do mundo: "Eu NÃO EXISTO com 15 anos!!!". Ela então diz "então pense em você com uns 12 anos" - e eu novamente respondo com toda certeza do mundo: "Eu NÃO EXISTO com 12 anos!!". E ela "Mas por que? O que foi que aconteceu"?

Nesse momento sou invadido pela sensação de tristeza mais intensa que já senti em toda minha vida! Acho que em nenhum momento acordado, em nenhum sonho, eu havia sentido uma sensação tão forte de tristeza, de perda... Comecei a chorar (de verdade) profundamente, como poucas vezes chorei, por alguns minutos... e o que me veio à mente foi...

... Em algum momento, com cerca de 10 anos de idade, estou sozinho, à noite, na "cabana" dos meus pais (uma cabana cônica, no estilo da dos índios norte-americanos). "Sei" que meu fim é ali.

Eu morrerei ali, no escuro, sozinho, vítima de algum tipo de "traição". A ideia que me vem à mente é "traição", mas não sei que traição é esta. Duas hipóteses me ocorreram na hora. Talvez meus pais, ao invés de ficarem comigo, tenham saído para se divertirem e eu seja atacado por algum animal selvagem. Talvez alguém que deveria justamente cuidar de mim (um tio, ou um irmão mais velho) me assassine... Só sei que é injusto, pois tenho a sensação de que aquela era a vida em que eu finalmente poderia ser feliz de verdade, e esta oportunidade de viver e ser feliz me será roubada por culpa de alguém...

Minha "terapeuta" me leva a regressar à minha vida atual... fim da experiência.

 

xxx - xxx - xxx

Agora vejamos alguns detalhes importantes: em primeiro lugar, eu sonho com frequência, e lembro dos meus sonhos. Chego a lembrar de até 5 a 8 sonhos numa única noite. Tenho os sonhos mais variados e complexos que se possa imaginar. Sei o quê meu subconsciente é capaz de criar. Porém, essas 4 vidas foram totalmente diferentes de qualquer sonho que já tive.

Eu não levei muito a sério a 2ª vida, pois eu havia assistido recentemente ao filme "A Nova Onda do Imperador" e a semelhança ficou muito grande. A 2ª vida deve ter sido criação do meu subconsciente, e acho bem provável que a 1ª vida (a do templo greco-romano) talvez também tenha sido.

Mas e a 3ª vida? Sonho? Faz sentido sonhar que sou cego? Eu jamais sonhei na vida que era cego. Alguém já sonhou que era cego?

E a 4ª vida, então? Sonhar que eu tinha 5 anos já seria atípico - eu jamais sonho que sou uma criança tão jovem. E aquela certeza absoluta de "não existir" aos 15 anos... Poucas vezes respondi algo com tanta certeza na minha vida como aquele "eu não existo com 15 anos!"...  E aquela sensação de tristeza como jamais senti na vida?

Sabe qual é minha fobia mais intensa na vida real? Medo do escuro completo! Medo de que algo sobrenatural me ataque se eu ficar no escuro completo! E um detalhe: eu só tenho medo do escuro completo quando estou sozinho. Eu perco todo o medo se eu estiver com alguém! Sempre tive a sensação de que o "algo sobrenatural" só apareceria se ninguém mais puder me ver...

O que você achou disso tudo?

 

© Augusto C. B. Areal

Todos os meus textos estão registrados no E.D.A. da Biblioteca Nacional
 e são protegidos nos termos da Lei 9.610 dos Direitos Autorais.

 Voltar à página inicial